GLOSSÁRIO FINANCEIRO – 17 TERMOS QUE VOCÊ PRECISA CONHECER: - Odonto Finanças
Blog
Gestão Financeira
22
Abr
2020
GLOSSÁRIO FINANCEIRO – 17 TERMOS QUE VOCÊ PRECISA CONHECER:

GLOSSÁRIO FINANCEIRO – 17 TERMOS QUE VOCÊ PRECISA CONHECER:

Implantar e gerenciar a gestão financeira de uma clínica odontológica para muitos dentistas é um mistério. Várias dúvidas estão presentes na rotina de quem se dedica a gerenciar uma empresa e foi pensando nisto que criamos um glossário financeiro com 17 termos que todo gestor deveria conhecer!

1 – DESPESAS: São todos os gastos realizados para o manter a clínica odontológica funcionando, tanto na execução dos serviços (dental, laboratório, etc.), quanto no funcionamento da estrutura administrativa (aluguel, salários, honorários do contador, impostos, etc.).

2 – RECEITA: São todos os valores que a clínica odontológica recebe referentes a atividade que ela exerce, na odontologia são os valores pagos pelos pacientes, os valores pagos pelos convênios, etc.

3 – REGISTRO DE MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA: Ato de tomar nota (registrar) as transações financeiras realizadas pela clínica odontológica. Estes registros podem ser realizados em sistemas gerenciais, planilhas de computador e até mesmo em papel (livro caixa).

4 – FLUXO DE CAIXA: É o resultado do registro da movimentação financeira. Ao fim do registro da movimentação financeira da sua clínica odontológica temos o seu fluxo de caixa. É a partir do fluxo de caixa que podemos iniciar a analise da situação financeira da clínica.

5 – CONTAS A PAGAR: São todas os gastos que a clínica odontológica realizou e ainda não pagou, ou seja, são os gastos que ainda estão á pagar.

6 – CONTAS A RECEBER: São todas as vendas que a clínica odontológica realizou e que ainda não foram pagas pelos clientes, ou que foram pagos em cartões, cheques, boletos, etc. e que ainda não foram compensados. São os créditos que a clínica ainda vai receber.

7 – DEPRECIAÇÃO: É um conceito contábil em que os bens que a clínica dispõe para seu funcionamento (móveis, equipamentos, computadores, etc.) vão perdendo valor, ao longo do tempo, em decorrência do seu uso ou sua obsolescência.

8 – TAXA DE RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO: É um índice financeiro que expressa em porcentagem, quanto do valor do investimento inicial está retornando para quem investiu (os sócios), por exemplo, em uma clínica odontológica em que foram investidos R$100.000,00 e apresenta um lucro de R$ 5.000,00, tem uma taxa de retorno de 5% em relação ao capital investido.

9 – LUCRATIVIDADE: É um índice financeiro que expressa em porcentagem, quanto a clínica odontológica obteve de resultado em ralação ao total de receita, em um determinado período, por exemplo, uma empresa que teve uma receita de R$ 50.000,00 e um lucro de R$ 5.000,00 teve uma lucratividade de 10%.

10 – PAY BACK: É um índice financeiro que expressa quanto tempo o capital investido pelos sócios na clínica odontológica vai retornar. Se em uma clínica em foram investidos R$ 100.000,00 e esta mesma clínica tem um lucro de R$ 5.000,00 vai demorar 20 meses para que o investimento retorne aos sócios.

11 - CAPITAL DE GIRO: O capital de giro é o valor monetário que a clínica odontológica vai necessitar para pagar suas obrigações até receber os valores dos tratamentos relaizados. Vamos pensar em uma situação em que a clínica parcela os tratamentos em 12 vezes. Por outro lado, esta mesma clínica odontológica paga a dental o laboratório e o dentista em 3 parcelas. Esta situação pode gerar um descompasso entre o que a clínica tem a receber e o que ela tem a pagar, ou seja, a clínica vai ter recebido uma pequena parcela da venda, mais já terá, ao fim dos 3 priemiros meses, pagado uma grande parte custos. Esta diferença entre o foi pago de despesas e o que foi recebido das vendas, caso seja negativo, gera a necessidade de capital de giro. Neste caso a clínica odontológica deverá ter um valor monetário disponivél para cobrir estes gastos até receber dos seus clientes.

12 - PODER DE PAGAMENTO (LIQUIDEZ): É a capacidade que a clínica odontológica tem de pagar todos os seus compromissos finaceiros assumidos (contas à pagar) em relação com que esta clínica tem disponivel em caixa (caixa e banco) e o que ela tem à receber (contas à receber).

13 - NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO: É um índice financeiro que demonstra qual é a dívida total da clínica odontológica (passivo) sobre seu patrimonio total, ou seja tudo que esta clínica tem em caixa, em contas a receber e o seu valor de mecado (ativo).

14 – CUSTO FIXO: São as despesas que não variam com a variação das vendas, por exemplo, o aluguel, independentemente se a empresa atende 50 ou 100 clientes o valor permanece o mesmo.

15 – CUSTO VARIÁVEL: São as despesas que aumentam ou dominuem seus valores com a variação das vendas. Um exemplo de custo variavél são os gastos com material odontológico, quanto mais você atende, mais material você gasta.

16 - CUSTO DE PRODUÇÃO: São os custos de todos os materiais e processos que foram utlizados para a produção dos serviços odontológicos. Diferentemente dos conceitos de custo variavel e custo fixo, aqui são lançados todos os custos para a produção deste seviço idependentemente se este custo é fixo ou variável. Em custos de produção vamos encontrar por exemplo, custo de dental, de laboratório de prótese, salários dos dentistas (tanto os que recebem valores fixos ou comissões), etc.

17 - CUSTO DE OPERAÇÃO: Assim como os custos de produção, aqui são lançados os custos que foram gerados para manter a clínica funcionando e que não fazem parte dos custos de produção. Um exemplo é o aluguel, o salário da recepcionista, os honorários contabeis, etc.

ODONTO FINANÇAS

Comente essa publicação

Fale conosco